terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Reconstrução mamária. I

Olá , bom, acho todos sabem que a Bibi, (que está sumida e eu já não aguento mais inventar desculpar pra justificar , kkkk) irá fazer reconstrução dia 28.  Bi tem expansores que lhe proporcionaram lindas tartarugas, no fim do mes, colocará próteses de silicone( 600ml no mínimo). Então vou postar o que achei pela net sobre o assunto, prometendo que ela, a Bibi, irá postar sobre, assim que organizar as idéias (segundo ela).
Quero desde já pedir orações para que dê tudo certo na cirurgia da nossa amiga, que Deus esteja com ela, com o lindo e toda equipe médica...Ah, ela esta bem... Linda e pasmem, morena.


 Reconstrução Mamária
Reconstruir a mama possibilita à mulher mastectomizada ou com indicação de mastectomia incorporar ao tratamento do câncer de mama conceitos de qualidade de vida, de integridade, com preservação da auto-imagem e, conseqüentemente, um processo de reabilitação menos traumático. 

Durante a cirurgia para a retirada do tumor de mama, uma amostra do tecido tumoral é examinada e, somente a partir deste laudo, o médico saberá qual será a extensão da cirurgia. A paciente é previamente informada e, mesmo quando o médico está quase certo de se tratar de tumor benigno, ele lhe expõe a possibilidade de que seja maligno e, nesse caso, quais as condutas cirúrgicas a serem tomadas, que poderão ser, desde uma quadrantectomia (retirada de ¼ da mama), até uma mastectomia (amputação total). 

A reconstrução da mama pode ser realizada no momento da mastectomia, como reparação imediata, ou mais tardiamente, se a paciente assim o desejar. A cirurgia de reconstrução é uma decisão pessoal, pois só a mulher mastectomizada ou na iminência de perder a mama pode avaliar o significado dessa cirurgia. 

Quase todas as mulheres podem fazer a reconstrução imediata, exceto pacientes contra-indicadas para permanecerem um longo período sob anestesia, como as que apresentam certas cardiopatias. Há várias técnicas de reconstrução mamaria, sendo que as mais empregadas, atualmente, são três. Não se pode dizer que uma seja melhor do que a outra, mas sim, que uma é mais adequada para um determinado caso. 

Reconstrução com Retalhos de Musculatura Abdominal 
Um retalho de tecido abdominal localizado abaixo do umbigo é retirado para preencher o volume mamário. Um, entre os dois músculos abdominais, é levado até o local, servindo como fonte vascular, para irrigação sangüínea do retalho. Onde antes ficava o músculo, coloca-se uma tela de polipropileno (a mesma que se usa em cirurgias de hérnia). 

Trata-se de uma cirurgia de grande porte, de aproximadamente 4 horas de duração, que requer um tempo maior de internação (cerca de 3 dias). 

A utilização desta técnica é inviável nos casos em que esta região apresenta cicatrizes de cirurgias anteriores, como de plástica de redução de abdome, por exemplo. 

Assim como nas demais técnicas, poderá haver necessidade de mais tempos cirúrgicos. O volume resultante da 1a etapa cirúrgica poderá ser modificado numa 2a, para que as duas mamas fiquem simétricas, oportunidade em que a aréola e o mamilo também poderão ser refeitos. 

Em alguns casos, é necessária uma 3ª cirurgia para completar a reconstrução. 

Reconstrução com Expansor Tecidual 

Logo após a mastectomia ou em data posterior, é colocado, por baixo do músculo peitoral, um expansor que parece uma prótese vazia. 

Ele vai receber injeções de soro fisiológico semanalmente ou a critério médico, até que fique cheio. 

Essas injeções são praticamente indolores e serão aplicadas através de uma válvula do expansor, que fica debaixo da pele. O tecido vai expandindo gradualmente, até atingir o volume desejado (cerca de oito semanas) e será retirado para a colocação de uma prótese submuscular. 

Há próteses de diversas texturas e com volume fixo ou variável. Este procedimento cirúrgico leva, em média, uma hora e costuma implicar em um dia de internação hospitalar. 

Geralmente, a aréola e o mamilo, bem como a simetria das mamas não são feitos nesta cirurgia. Para tanto, pode ser necessário mais um tempo cirúrgico. 

Reconstrução com Retalhos de Musculatura Dorsal 


Quando o volume mamário não é muito grande, pode-se retirar um retalho de tecido da parede do tórax (das costas), juntamente com o músculo dorsal, para irrigar a área. Por não ser tão espesso quanto o retalho abdominal, o espaço pode ser completado com uma prótese. 

Esta técnica tem a desvantagem de deixar uma cicatriz nas costas, porém, é a que melhor preenche o cavo axilar (vazio na axila), nos casos em que houve esvaziamento linfático. 

Últimos retoques 

Alguns ajustes costumam ser feitos para se alcançar o melhor resultado possível. Há casos em que é feita uma mamaplastia (cirurgia plástica) na mama são para que os dois seios fiquem com o mesmo tamanho e na mesma altura. Algumas vezes esse resultado pode ser alcançado com lipoescultura. 

Quando a aréola e o mamilo não foram preservados na mastectomia, há várias maneiras de refazê-los. Para o mamilo, pode-se usar um pedaço de tecido do lábio vaginal, da parte interna da virilha ou ainda, se o mamilo da mama contra lateral for suficientemente grande, é possível retirar-lhe um retalho. A aréola também é feita de retalhos de tecido. 

Para que a coloração fique natural, recursos de tatuagem costumam ser utilizados. 



Retirado em 28-07-2010

3 comentários:

Tuca disse...

querida amiga....

entrei te visitar um pouco e perguntar se estás bem...Um beijo prá vc, desejando que Deus continue te ajudando a lutar e a ser feliz!!!

Matilde (Tuca)

Keila Rocha disse...

Amiga, to aqui esperando para emtrar na cirurgia. Lembrei de vir te deixar um bjo. A minha reconstrução sera imediata.... To com um frio na barriga, rsrsrs... bjoooo

Cristina disse...

Bibi
Tudo dará certo, vai ficar lindona! E vc Lilian? Como está? Espero que bem e em paz! Bjkcas para as duas!

Postar um comentário

Obrigada por ler o blog, fico feliz que esteja aqui. Deus nos abençoe!!!!