quarta-feira, 4 de agosto de 2010

(...) diante da dor sofrida, mais vale um silêncio, uma pausa, que uma palavra inoportuna." Pe. Fábio de Melo

 Desde que este blog era apenas um monte de idéias o assunto religião foi um tópico que queríamos abordar. “ E vai ficar por sua conta amiga” dizia Bibi. Mas este post demorou a sair, eu queria ser compreendida e de maneira alguma ofender alguém.
Vamos combinar... Tem toda razão quem disse que política, futebol e religião não se discutem. Não se discutem mesmo, ignorante quem pensa diferente. Infelizmente, nem todos agem assim.Como entre nós duas, eu fui a mais agraciada por pessoas que queriam impor sua opinião sobre a minha.O post ficou por minha conta.
E que difícil...
Não deveria, falamos abertamente sobre a vida alheia, sobre sexo, futebol, marido, filhos, mas sobre Deus...Os que se atrevem as vezes são mal vistos.
E Deus é tão bom, tão maravilhoso, onipresente, onisciente, onipotente, infinitamente misericordioso. Alfa, Ômega, principio e fim. Seria muita pretensão, ousar poder dizer tudo que Ele representa aos que crê, e somente a eles, os que crêem podem me entender, cada um pode sentir Deus de maneiras diferentes; o segue da maneira que sente-se mais perto d’Ele;na religião que mais lhe aprouver; na igreja que o melhor acolhe; na solidão; na multidão. O que as pessoas esquecem,é que,é o mesmo Deus. Então por quê? Porque questionar, julgar, maldizer, desprezar, ofender a maneira que cada um resolver seguir a Deus? Sentir seu poder, seu amor por nós?
Tá bom, eu confesso, também não sou tão aberta assim, tem uma ou duas religiões que me recuso aceitar como divina, sendo Deus amor, ele jamais poderia ser usado para derramamento de sangue, egoísmo, rituais macabros. Aff, não quero entender, não queiram me explicar, mas nem por isso eu desrespeito as escolhas de cada um.
O assunto é tão sério que o exercício do direito constitucional à liberdade do culto religioso, é direito garantido na Constituição. Mas sabe como é. Sempre tem um palmeirense querendo que a gente mude de time. Imagine! Não faria isso antes, agora que estou “estilo Ronaldinho’; gordinha, careca e corintiana. Jamais! Tenha santa paciência.
Do mesmo jeito, encontrei pessoas que queriam “negociar” minha cura por minha conversão para esta ou aquela religião. Ouvi que Deus tinha mandado a doença pra eu abrir meus olhos e ‘aceitar Jesus’. Bibi me ensinou que Jesus está em mim, desde minha concepção. Eu sempre soube que não preciso aceitar ele, eu sou Dele. Sou obra D’Ele.
Ouvimos muito isso: que Deus “manda” a doença para nosso bem, para ensinar ao doente uma lição de humildade, ou para nos constranger a chegar mais perto d’Ele,que é sua vontade...  
Vontade? Pode um pai desejar a doença a um filho? Ver-nos deformados, sofridos, mutilados, carecas, inchados, com semblante carrancudo diante de tanta dor? Prefiro acreditar que não. Meu câncer é fruto de uma má alimentação + obesidade + sedentarismo + stress+ excesso de trabalho+ mágoas + + +. Não Deus. Pode uma pessoa que se entope de gordura e porcaria, culpar a Deus por ter problemas cardíacos? Um fumante de longos anos por ter câncer de pulmão? Fácil atribuir a culpa do humano no divino. Ele permite que passemos pelo vale das sombras, mas promete estar conosco. Nunca me senti mais perto d’Ele do que agora, antes do câncer tantos recados ele me mandou, e fui guardando-os na gaveta pra “ler depois”.
Aprendi que fomos feitos a sua imagem e semelhança, e com certeza, você não oraria ao pés Dele com a minha aparência. Nem de lenço dá pra salvar.
Deus quer mais de seus filhos, Ele clama por fé, por caridade, oração, compaixão, solidariedade. Não está escrito em lugar nenhum que isso é privilégio se eu for desta ou daquela religião. Pelo contrário, está escrito que “Deus não faz acepção de pessoas," Atos 10.34.
Graças a Deus existem pessoas que sabem disso. E como eu fui presenteada por ter amigos assim, que entende sermos filhos do mesmo Pai. Que evangélico, chega a minha casa e vê no altar Nossa Senhora, e ora por mim,que espírita mentaliza muita luz, porque me ama e quer a minha cura, e não negocia ela por nada, apenas se une a minha dor e ora por mim, ora comigo. Com a Lilian, mesmo ela sendo católica, corintiana, cheia de defeitos e estando tão “linda”; aos olhos do amor, apenas Deus e sua obra permanece...
Pra finalizar, se bem que este assunto não tem fim,melhor dizendo...Fazendo uma pausa no assunto, a Bibi nos deixa uma sugestão de um livro: A Cabana de Willian Young (disponível para baixar em: http://www.baixedetudo.net/download-livro-a-cabana) e eu deixo o trecho de uma música...
Tenho irmãos, tenho irmãs aos milhões, em outras religiões,
Pensamos diferente, louvamos diferente, oramos diferentes,
Mas numa coisa nós somos iguais, buscamos o mesmo Deus,
Amamos o mesmo pai, queremos o mesmo céu, choramos os mesmos ais.
(...) buscamos o mesmo amor,
Queremos a mesma luz, sofremos a mesma dor, levamos a mesma cruz.
Um dia talvez quem sabe, descobriremos que somos iguais,
Irmão vai ouvir irmão,e todos se abraçarão, nos braços do mesmo Deus, nos ombros do mesmo pai.
Música: Iguais. Padre Zezinho



2 comentários:

Cristina disse...

Meninas! Lindo texto! Concordo com vcs, Nosso Pai é misericordia e amor! Independente da religião continuamos a ser seus filhos, feito a imagem e semelhança Dele. Tenho amigos de várias religiões, cada um respeitando o outro. Tenho tb recebido orações de católicos, evangélicos, espíritas, budistas.... olha que bom. Jesus disse: " Quando um ou dois estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles". Uma abraço!

camila disse...

oi..sou filha d coração da BIbi...
adorei a letra da musica que tu colocaste no fim do teu texto, resume tudo..adorei...
ja scuti falar mt bm d vc..e mesmo sem nos conhecermos, tu tb esta nas minhas orações....
mt luz pra ti em tua caminhada..
abraços

Postar um comentário

Obrigada por ler o blog, fico feliz que esteja aqui. Deus nos abençoe!!!!